sábado, 14 de novembro de 2009

Pedal VR x Cachoeira do Robertão ( Amparo, Barra Mansa- RJ ) 60 kms

O pedal de hoje se iniciou as 7 da manhã saindo do Posto Voldac na agradável companhia do Sr. José Adal, com quem tive o prazer de conversar muito sobre as "coisas da vida". Logo, o dorminhoco João Henrique nos alcançou na estrada e somou assuntos ao nosso papo. Fi
zemos uma parada obrigatória na lanchonete em Amparo e logo seguimos nosso rumo, uma estradinha de terra que eu nem sabia existir e que levava, segundo o José Adal, a uma bela cachoeira. José Adal é velho conhecido de toda galera das bikes por ser um "desbravador", um bandeirante descobridor de novas rotas. Ele nunca se perde, diz apenas estar conhecendo novos caminhos... Eu, sinceramente, fiquei em dúvida ao chegar na suposta entrada da cachoeira simplesmente porque nosso guia dizia estar achando o caminho diferente desde a última vez que lá esteve. Ai ai... Na verdade, o "caminho" era uma trilha pouco visível coberta pela vegetação. Lá fomos nós, seguindo empurrando as bikes atravessando rios e abrindo caminho cortando mato com o peito. Eis que de repente, não é que o som de uma forte cachoeira podia ser percebido? Parabéns José Adal, você acertou! Curtimos a bela cachoeira e sua maravilhosa água gelada e refrescante. Saindo da cachoeira, olhamos para cima e vimos o caminho que nos aguardava! A subida do Robertão era cascuda mesmo, mas não tem jeito né? Na primeira bifurcação fiquei em dúvida e esperei o José Adal. Ele disse que era o caminho da esquerda, que por "coincidência" era o caminho reto. Eu, particularmete na minha humilde opinião, achei que deveria continuar subindo, mas... Seguimos, e o caminho foi fechando... A estrada aberta foi se tornando uma trilha... -José Adal, tem certeza que é por aqui mesmo? Recebi uma resposta animadora: -Em algum lugar nós vamos sair! Ai. - Lá na frente tem uma casinha, vamos pedir informações. Foi a primeira vez na minha vida que eu vi uma casa sem um caminho para chegar nela, juro. Resolvemos subir morro acima levando as bikes no ombro para tentar achar a estrada no alto dos morros. Deu certo. Chegamos na subida "original" do Robertão, mas nem tínhamos mais forças para continuar, resolvemos voltar logo para Amparo e almoçar.

José Adal, o senhor não é louco. Louco é quem te acompanha! rsrsrsrs Obrigado pela companhia e pelos deliciosos perrenges! Valeu João, mais um pedal pra história!

6 comentários:

João Henrique disse...

Pedal mto maneiro msm...seu diario d bordo mto legal como sempre. e mas uma vez indo nas doideiras do Jose Adal, mas eh isso ai vida d MTB eh assim msm.Amanha ainda vamos subir a bocaina!!haiuahaiuahiauh
Vlw michel

Hernâni disse...

essas fotos da cachoeira deixam um gajo com "inveja" é que aqui hoje choveu todo o dia ou quase :))

Parabens e continua com esse espírito

Abraço

João Bosco disse...

Já fiquei perdido com o José Adal aí no alto do Robertão, ou melhor, descobrindo novos caminhos. rsrsrs
O seu relato parece um replay do que passamos nesta trilha, só que insistimos e a cada passo mais perdidos.
Como não tinhamos mais o que fazer, tive uma bela idéia. Vamos subir para o alto daquele morro e tentar avistar alguma coisa. Mas para subir tinhamos que abrir no peito, um caminho no meio do mato. Por fim acabamos saindo em São Bento.
Pergunte para o Serginho, se quer ir descobrir um caminho novo com o José Adal?
Mas no final das contas tudo vale a pena, porque quando saimos para pedalar, o que queremos mesmo é uma boa aventura!
Obs. Descobrir "novos caminhos" neste caso é apenas uma maneira de dizer, porque não tinha caminho nenhum por onde andamos.

Jorge Nogueira disse...

Nesse sábadão;
fez um calorão;
E nosso amigo Michel, que tem muita disposição;
a convite do José Adal e acompanhado pelo João;
Resolveu se refrescar na cachoeira do Robertão;
Mas chegar lá...não foi fácil não;
passaram perrengues de montão;
chegaram até a ficar perdidos em meio a vegetação;
o guia perdeu a orientação;
e se confundiu na bifurcação;
mas mesmo assim , apesar dos momentos de dúvida ,dilema e indecisão;
e também de aflição;
conseguiram chegar na
cachoeira do Robertão;
onde a agua fria renovou as energias e deu fim a exaustão;
foram momentos de alegria e satisfação;
na companhia do José Adal:um amigão;
além de amigão;
é um desbravador do sertão;
sempre pronto a descobrir novas trilhas no meio da vegetação;
para a alegria e satisfação;
de todos os bikers da região;
mas retornar era preciso,por mais que isso lhes causase dor no coração;
precisavam abandonar aquele paraiso perdido no meio da vegetação;
ainda tinham que enfrentar um subidão;
mas novamente se confundiram na bifurcação;
ficaram perdidos no meio da vegetação;
não havia outra opção;
precisaram subir um morrão;
o mais alto da região;
carregando a bike nas costas,
o que lhes causou muito cansaço e sofreguidão;
mas com certeza essa foi a melhor solução;
pois no topo do morrão;
recuperaram a orientação;
pois lá em cima tiveram um belo panorama da região;
finalmente acharam a estradão; que os levaria para amparo ,
onde teriam uma bela refeição; e isso pos um fim a aflição;
pois
estavam sofrendo de cansaço e exaustão;
e com certeza se não comessem muito arroz e feijão;
em volta redonda não chegariam não;
com certeza desmaiariam de inanição;
no meio do estradão;
o que com certeza nos causaria grande trizteza e consternação;
mas tudo correu bem,para nossa alegria e satisfação;
pasaram perrengues de montão;
mas finalmente chegaram em casa, estavam de volta a civilização;
mas com certeza guardarão;
para sempre no coração;
a lembrança desse passeião;
passados na agradável companhia do José Adal e do João.

Anônimo disse...

Acho que se você escrevesse um livro, faria sucesso... Dá para sentir o que você viveu em cada uma dessas aventuras de bike.

Como eu sempre digo "quando eu crescer..." rs

Beijo grande,
Flá.

pedro disse...

Show de pedal... Guardou bem o caminho pra me levar lá??!hehehe
too gostando dos comentarios do Jorge...hehehe
valeuuuu