sexta-feira, 10 de março de 2017

Aventura em família

Passeios em Bananal-SP, Ibitipoca-MG, Visconde de Mauá-RJ e Angra dos Reis-RJ com minha prima Viviane.




domingo, 26 de fevereiro de 2017

Flying in Rio

Sonho realizado: sobrevoar o Cristo Redentor no Rio. Um vôo sensacional.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Expedição Jaraguá 2016

Jaraguá, dia 09/08/16.

As condições metereológicas apontavam para um excelente dia de vôo. Nos reunimos na rampa para traçar estratégias e não repetir os erros do dia anterior (pilotos voando sozinhos e em áreas de tráfego aéreo). Nos preparamos e decolamos praticamente juntos, logo estampando no céu turbulento do cerrado. Voávamos em formação, ganhávamos na mesma térmica e partíamos juntos com vento de cauda procurando novos pontos para ganhar altura. Peguei térmicas gigantes subindo a 7 metros por segundo e era preciso sangue frio para voar na turbulência.

Daniel, o Argentino, era nosso experiente líder e quem puxava o bonde maior parte do tempo traçando a rota. Assisti de camarote Daniel sofrendo fortes catrapos: tomou uma assimétrica e entrou em giro bem na minha frente, mas soube controlar a situação e não se abalava. Eu o seguia torcendo para minha asa seguir voando aberta sem colapsos.

Bati meu recorde pessoal de altura (e frio) ultrapassando a barreira dos 4 mil metros.

A meta era bater 100 kms de vôo em linha reta desde a decolagem e isso parecia cada vez mais real. Estava tudo dando certo até o Cadú nos informar pelo rádio, gritando de dor, que tinha se machucado num pouso dentro de um campinho de futebol. Cal, nosso resgate, nos acompanhava pelo rádio e já estava próximo ao local do acidente. Eu decidi abortar o vôo e pousar para ajudar nosso amigo e logo todos os pilotos tomaram a mesma decisão. Me encontrei com Cadú já sendo socorrido na ambulância e segui com ele sentido a Goiânia onde teria melhor tratamento médico. Cadú quebrou o braço.

Como pode o seu melhor vôo ser também o mais frustrante? Tínhamos tudo para bater o recorde mas não podíamos deixar um amigo sozinho naquele momento.

Foram 80 kms voados em linha reta em mais de 4 horas de vôo.
Eu ainda sonho com esse vôo e os 100 kms continuam entalados na minha garganta. Nesse momento já começamos a planejar a Expedição Jaraguá 2017.

Bons vôos e pousos seguros!



Cadú e Michel
Bruno
Michel e Pablo
Michel, Pablo, Bruno e Cadú
Daniel
Michel e Daniel

Daniel, Cadú, Michel, Pablo, Bruno e PC.

sábado, 25 de junho de 2016

Parapente na Siméria, Petrópolis- RJ

Amigos e alunos da escola de vôo livre Pé No Ar voando noas ares da Serra Imperial.

sábado, 18 de junho de 2016

Parapente Serra da Bocaina- SP.

Mais um vôo alucinante na Serra da Bocaina. Cerca de 20 pilotos coloriram o céu, deixando a Serra ainda mais bonita.